Revolução Francesa

Tipo de documento:Produção de Conteúdo

Área de estudo:Estatística

Documento 1

Revolução Francesa – Contexto Histórico Para entender a série de eventos que eventualmente levaria à Revolução Francesa em 1789, é fundamental ter em mente o processo geral europeu de transformação das antigas monarquias feudais em Estados absolutistas, que ganhou sua mais famosa expressão neste reino. A partir do reinado do primeiro monarca da dinastia dos Bourbon, Henrique IV (1553-1610), os soberanos franceses habituaram-se a não convocar os Estados Gerais e deixar de lado os grandes senhores, preferindo nomear ministros burgueses para os cargos mais importantes do governo. No reinado do filho de Henrique IV, Luís XIII (1601-43), o soberano passaria a ser encarado como representante da vontade divina para o reino, sendo único intérprete dos interesses de Estado e, logo, principal símbolo da manutenção da ordem e da prosperidade da nação. Mas foi com o filho de Luís XIII, Luís XIV(1638-1715) – o Rei Sol - que o absolutismo francês assumiu sua forma máxima de expressão. Nas últimas décadas do século XVIII, o tataraneto de Luís XIV, Luís XVI (1754-93) ainda reinaria nos mesmos moldes ideológicos estabelecidos pelos seus ancestrais. A situação de França, no entanto, era agora crítica no plano político-econômico. Contando com cerca de 25 milhões de habitantes, a sociedade era altamente estratificada. O topo da pirâmide era ocupado por cerca de 120 mil pessoas que detinham cargos na Igreja, possuidoras de 10% das terras do reino.

O chamado primeiro estado era isento de impostos, serviço militar e até mesmo julgamento em tribunais comuns. Já o segundo estado era composto por cerca de 400 mil nobres, a maioria dos quais vivia em seus próprios castelos ou na corte real em Versalhes. Muitos culpavam a nobreza pela miséria em que o reino se encontrava. Na capital, Paris, operários e artesãos começaram a fazer greves, e desempregados saqueavam lojas. Manifestações contra a política econômica tornaram-se comuns. A Queda da Bastilha Em 1789, para solucionar o grave déficit das contas públicas, o ministro de Finanças, Jacques Necker, propôs que o clero e a nobreza passassem a pagar impostos. A ideia foi rejeitada. Quando a notícia se espalhou, mais levantes se alastrariam pelo país afora.

A sublevação generalizada possibilitou que a Assembleia Constituinte abolisse as leis feudais que ainda vigoravam, suprimindo leis ainda em vigência que privilegiavam clero e nobreza. Além disso, grupos populares armados foram transformados na chamada Guarda Nacional, cuja missão era proteger a Assembleia de ataques. Em 26 de agosto seria proclamada a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Fortemente inspirada pelo movimento iluminista, o documento estabelecia a liberdade e a igualdade de todos perante a lei, além de estabelecer a presunção de inocência e liberdade de opinião. Desfecho Uma Constituição Republicana foi em breve elaborada, concedendo o sufrágio universal masculino. Agora predominantes na Convenção Nacional por sua vitória nas eleições, os jacobinos tiveram a força necessária para enfrentar a investida contrarrevolucionária liderada pela Áustria.

Em abril de 1793, foi criado o Comitê de Salvação Pública, que convocaria cerca de 300 mil homens para a guerra. Além disso, foi criado o Tribunal Revolucionário, que julgaria diversos suspeitos de traição. Era o início da época do chamado Terror, que até 1794 executaria cerca de 35 mil pessoas, entre elas a antiga rainha Maria Antonieta e o próprio George-Jacques Danton. Durante esse período, além da tensão da guerra e dificuldades financeiras, o governo sofreu ataques internos por jacobinos e monarquistas. Para conter essas manifestações, o Diretório pediu ajuda ao Exército e, em 1795, o jovem e promissor general Napoleão Bonaparte foi escolhido para organizar a defesa interna do país. Graças ao seu êxito, Napoleão acabou tornando-se uma importante força política na França.

Seu prestígio cresceu tanto que, em 1799, ele foi convidado a fazer parte do Diretório. Em 9 de novembro do mesmo ano – no golpe conhecido como 18 Brumário – Napoleão anunciou que iria dissolver o Parlamento e substituir o calendário por três cônsules provisórios, dos quais ele era evidentemente o mais importante. com/historia/revolucao-francesa/. Acessado em 07 de Abril de 2018. FURET, François. Pensar a Revolução Francesa. São Paulo: Paz e Terra, 1989.

334 R$ para obter acesso e baixar trabalho pronto

Apenas no StudyBank

Modelo original

Para download