CADEIA DE SUPRIMENTOS NO ÂMBITO FABRIL

Tipo de documento:Redação

Área de estudo:Finanças

Documento 1

INTRODUÇÃO Com a busca na excelência na gestão, além dos avanços tecnológicos e alta competição existente no mercado globalizado todos os dias as empresas buscam o diferencial competitivo para manter-se viva no mundo dos negócios. O SCM vem como uma ferramenta, que se implementada corretamente, pode aprimorar a desempenho de longo prazo das organizações, visto que, abrange toda a cadeia produtiva de forma estratégica integrada.   As prioridades ou as vantagens competitivas podem ser definidas como sendo um conjunto consistente de características de desempenho que a empresa terá, e por meio da qual contribuirá para um aumento da competitividade da organização (CASTRO, SANTOS e SILVA 2008). Uma fábrica nunca pode parar, para gerar lucros, ela precisa estar sempre produzindo, e por isso, nunca pode faltar a matéria prima, além de que o que já foi produzido, também não pode ficar muito tempo parado, esse material precisa estar em circulação, e é por isso, que a cadeia de suprimentos é importante. Este artigo tem como objetivo apresentar a importância da cadeia de suprimentos no âmbito fabril, e para isso, será necessário definir o que é logística, cadeia de suprimentos. A área de logística é de suma importância para as fábricas, que ao utilizar os conceitos dela, conseguem melhor seu funcionamento e diminuir os custos, e é por isso, que o tema é relevante. Para atingir os objetivos será utilizado neste artigo o método qualitativo, já que ele busca caracterizar e compreender os fatos, utilizando de um caráter exploratório, buscando explorar como o sequestro da subjetividade no trabalho está relacionado com os sentimentos de prazer e sofrimento.

Para analisar essa relação foi utilizado a análise de evidências de Bardin (2011), no qual consiste em “um conjunto de técnicas de análise das comunicações visando obter, por procedimentos sistemáticos e objetivos de descrição do conteúdo das mensagens, indicadores que permitam a inferência de conhecimentos relativos às condições de produção/recepção dessas mensagens”. LOGÍSTICA A palavra logística, segundo Journet (1998) vem do francês loger, que significa acomodar, diferente de outros autores, que a consideram grega, logos, que significa manipulação dos detalhes de uma operação, porém, o surgimento da logística não tem data definida. Diversos autores consideram que algumas técnicas foram usadas em guerras, como por exemplo, as tropas de Alexandre - o grande, que eram organizadas e possuíam todos os suprimentos necessários disponíveis.

Figura 1 - Logística e Cadeia de Suprimentos Fonte: Platt (2018) No Brasil a atividade logística é recente, e seu surgimento está relacionado à competividade, com a entrada novas multinacionais que trazem com elas o conceito de qualidade que está vinculada ao conceito de logística. Ao notar a necessidade de coordenar o fluxo de produtos e informações com a finalidade de garantir o material entregue no lugar certo, no prazo certo com o menor custo, dentro das cadeias logísticas de suprimento, os sistemas logísticos passam a ter como característica principal integrar todas as atividades logísticas, integração essa que é considerada como um fator de competitividade, já que permite a redução de custo com estoque, distribuição e armazenagem, além de diminuir o prazo de entrega.

Estratégia Logística A estratégia logística consiste em planejar e desenvolver ações estratégicas que seriam impossíveis sem uma forte competência logística, a logística é colocada como uma grande vantagem competitiva. Ballou (1993) considera a estratégia logística importante porque um produto ou serviço possui pouco valor se o mesmo não estiver disponível no momento e local no qual o cliente deseja consumi-lo. Uma empresa para tomar uma decisão referente a uma carga, vários fatores precisam ser analisados, entre eles os requisitos pedidos pelo cliente: tempo de espera, condição da carga e o transporte para que seja escolhida a melhor estratégia logística para cada cliente, ou seja, estratégias táticas e operacionais. Não basta muita informação.

Pelo contrário, se não houver um sistema para geri – lá acontecerão muitos problemas, por isso ferramentas para a gestão dessas informações é fundamental, este recurso permite dar ênfase no que realmente importa e descartar informação irrelevante. Como complemento a isso devemos ter a mão um processo estruturado de análise, criando assim um início, meio e fim para a informação captada. Ronald Ballou (1993) faz um importante adendo sobre complexas redes logísticas, quando diz que o processo Logístico é composto por três atividades primárias: transportes, processamento de pedidos e manutenção de estoques. Para gerir atividades que podem ser consideradas o centro nervoso da operação é importante a implantação de um sistema de trabalho que irá incluir atividades como transportes, armazenagem e fluxos de informação com clientes fornecedores e parceiros.

A classe 4 é composta por máquinas a combustão com pneus de perfil baixo e rodas de tala larga. Esse equipamento tem uma transmissão especial que oferece maior aceleração, porém, os pneus necessitam de pisos perfeitos, e por esse motivo, as operações externas não são recomendadas. A classe cinco fecha o conjunto de empilhadeiras, são equipamentos a combustão indicados para operações internas e externas. Cerca de 80% da frota brasileira de empilhadeiras é composta por essa classe. O combustível pode ser diesel, gasolina ou GLP sendo a última a opção mais aceita nas empresas. É necessário não apenas de planejar, mas transformar essa filosofia de desenvolvimento em algo tangível. CADEIA DE SUPRIMENTOS No mercado competitivo em que se encontra as empresas na atualidade, a busca pela redução de custos está cada dia mais em ênfase no vocabulário dos gestores.

Um fator determinante para que esses objetivos se concretizem é o Supply Chain Management (SCM). Cecatto (2003) define que o Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos consiste em aprimorar e desenvolver todas as atividades relacionadas com o fluxo e transformação de produtos e serviços associados, desde a obtenção de matérias-primas até a chegada do produto ao usuário final, bem como os fluxos de informação relacionados e a geração de valor para todos os componentes da cadeia. Beamon (1999) define a cadeia de suprimentos como um processo integrado, em que a matéria-prima é transformada em produto final que é então entregue aos clientes (via distribuição, varejo ou ambos). É necessário entender que o gerenciamento de transportes, manutenção de estoques e processamento de pedidos deve ser o mais eficiente possível.

Segundo Ronald Ballou (1993) “essas atividades são consideradas primárias porque ou elas contribuem com a maior parcela do custo totais da logística ou elas são essenciais para a coordenação e o cumprimento da tarefa logística. ” O modal de transporte, é um pilar fundamental na cadeia de suprimentos de uma fábrica, os modais definem a forma em que a mercadoria será transportada, sendo que cada modal tem características peculiares de operação, infraestrutura necessária e custos de operação. No Brasil existe uma tendência no transporte de modal rodoviário, principalmente em grandes distancias. Em países de dimensões continentais como é o caso da Rússia existe uma preferência natural pelo modal ferroviário chegando a 81% do volume transportado, enquanto no Brasil esse valor não excede 20%.

com. br/classes-de-empilhadeiras/>. Acesso em 14/01/2019. “Cross Docking”. Disponível em: <http://www. php>. Acesso em 15 de novembro de 2017. “Nível de serviço logístico - Logística empresarial”. Disponível em: http://www. portaleducacao. Disponível em: <http://www. segplan. go. gov. br/post/ver/168644/plataforma-logistica-multimodal-do-estado-de-goias>. São Paulo BALLOU, Ronald. Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos: Planejamento, Organização e Logística Empresarial. ª Ed. Porto Alegre: Bookman, 2001. BALLOU, Ronald. São Paulo: Saraiva, 2006. BEZERRA, Felipe. “Planejamento Estratégico, Tático e Operacional. ” Disponível em: http://www. portal-administracao. Gestão Logística do Transporte de Cargas. São Paulo: Atlas, 2001. CASTRO, Mario; SANTOS, Fernando César Almada; SILVA, Eliciane Maria. CECATTO, C. A importância do Supply Chain Management no desenvolvimento das empresas brasileiras. São Paulo: Prentice Hall, 2003. FABBE-COSTES, Nathalie e Colin, Jacques Formulating Logistics Strategy, Logistics and Distribution Planning Strategies for management 1994.

FILHO, João. DANTAS, Maria. “Estratégias Logísticas x Vantagem Competitiva”. br/index. php/janus/article/viewFile/130/112. Acesso de 11/02/2019. JOURNET M. Evolution de la Logistique des Entreprises Industrielles et Commerciales" in: Revue Annuelle 98 des Eleves des Arts et Métiers, LOGISTIQUE: MAITRISE DES FLUX. Disponível em: http://www. brasilengenharia. com. br/ed/591/eng_transporte_i. pdf. signorelli. edu. br/novoPrisma/leituras/6147_gestao_logistica_estrategia_competitiva. pdf. Acesso em 17/02/2019. Disponível em: http://www. cimentoitambe. com. br/custo-logistico-construcao/. Acesso em 21/02/2017. “Implantação do Certificado Iso 9001 em uma Empresa no Setor de Papelão: Avaliando seus Impactos Organizacionais”. Disponível em: seer. tupa. unesp. br/index. ISSN 2178-938X. MARTINS, Gilberto. “Raio X da Produção, Investimentos e Participação dos Modais de Transporte”. Disponível em: http://www. brasilengenharia.

200 R$ para obter acesso e baixar trabalho pronto

Apenas no StudyBank

Modelo original

Para download