Sobre o objeto e o método da prosopografia

Tipo de documento:Revisão Textual

Área de estudo:Estatística

Documento 1

PALAVRAS-CHAVE: Biografia. História Social. Métodos da História. Prosopografia. A prosopografia não é algo novo. A palavra aparece, como Karl Ferdinand Werner comprovou, já em 1537, primeiramente no plural, em uma obra intitulada * Texto originalmente publicado em BULST, N. GENET, J. P. Medieval Lives and the Historian: Studies in Medieval Prosopography (Proceedings of the First International Interdisciplinary Conference on Medieval Prosopography, University of Bielefeld, 3-5 December 1982), Michingan, 1986, p. Título original: Zum Gegenstand und zur Methode von Prosopographie. Agradecemos ao autor a permissão para utilizá-lo nesta publicação. Tradução de Cybele Crossetti de Almeida. Revisão de Marina Kleine. Professor da Universität Bielefeld, Alemanha. POLITEIA: Hist. e Soc. Politeia, v. pmd 47 Vitória da Conquista v. n. p. Prosopographiarum libri quator, in quibus personarum illustrium descriptiones aliquot seu imagines. continentur. No singular, o primeiro registro comprovado de sua utilização é do ano de 1565, quando foi publicada, em Basel, a Prosopographia heroum atque illustrium virorum totius Germaniae (WERNER, 1977, p. Alguns anos mais tarde o termo foi utilizado, na França, em língua vernácula. Em 1573, Antoine du Verdier publicou uma obra com o título La prosopographie ou description des personnes insignes qui ont eté depuis le commencement du monde, avec leurs effigies1 e, em 1583, Nicolas Bergeron, em seu Le Valoys royal, descreve o seu procedimento como “prosopografia ou dedução genealógica e histórica dos senhores e damas, sucessores proprietários deste ducado”. Mas são novos, a bem da verdade, a intensidade e o entendimento metodológico com os quais a prosopografia hoje é exercida na pesquisa histórica.

Além disso, modificaram-se as expectativas e os objetivos ligados à pesquisa prosopográfica, bem como seus objetos. Trabalhos de pesquisa sistemáticos sobre Personengeschichte existem desde o século XIX. A lista dos trabalhos prosopográficos que se destacam em todas as áreas da história é longa. Destes, mencionaremos alguns exemplos: H. Berves (1926), L. Namier (1929), R. Syme (1939) e G. Tellenbach (1939),4 além de artigos em prosopografia, começando com J. E. De Cholières escreveu seu Aprés-Dinées entre 1585 e 1587 e utiliza o adjetivo prosopographique no sentido original, isto é, significando a reprodução dos rostos: “S’il vous plaît visiter les figures et portraits qui sont dans l’Histoire Prosopographique d’un de nostre pays” (p. Citado em BARRÉ (1978, p. É, no entanto, evidente que nem a Bibliographie annuelle de l’histoire de France du cinquième siècle à 1945, nem o Jahresberichte für deutsche Geschichte contém o verbete prosopografia.

Ele também não está presente no dicionário La Nouvelle Histoire editado por J. Le Goff (1978). também J. Maurin (1982). Maurin faz um balanço crítico da História Antiga e conclui que, apesar de todas as restrições (Einschränken), o estudo das elites sociais romanas não pode prescindir da prosopografia. Ver, ainda, Stone (1971), Carney (1973), Beech (1976), Schmid (1981) e Autrand (1981). Politeia, v. Até o congresso de Bielefeld, em 1982, que é o primeiro a se ocupar exclusivamente com a prosopografia, o último evento importante foi a fundação do periódico Medieval Prosopography, em 1980, por B. Bachrach, G. Beech e J. Rosenthal. Como explicar este novo interesse pela prosopografia? Ele brota apenas de uma estéril paixão de colecionador como polemicamente afirmou Stone? POLITEIA: Hist. Wriedt, Personengeschichtliche Probleme universitärer Magisterkollegien e de W.

von Stromer, Wirtschaftsgeschichte und Personengeschichte, publicadas em Zeitschrift für Historische Forschung (Ver Referências Bibliográficas). O congresso de historiadores em Hamburgo contou com uma seção com a colaboração de K. Schmid, J. Mehne, G. Rapports d’une table ronde internationale (Paris, 1978); 19. Kolloquium über die Anwendung der EDV in den Geisteswissenschaft (Tübingen, 1979). e virtudes domésticas”. Ou, ainda, este interesse se explicaria porque a prosopografia responde melhor a determinadas questões, atualmente, do que outras abordagens históricas? Este último argumento, no entanto, deveria valer igualmente para as diferentes abordagens históricas: história econômica, social e política etc. A rigor, esta hipótese parece relacionar-se a um determinado e limitado objeto da pesquisa prosopográfica, qual seja, a história dos grupos dirigentes políticos, um campo no qual o ganho de um significa a perda do outro – um mecanismo que não vale incondicionalmente (CARNEY, 1973, p.

Stone (1971) e Gillespie (1977). A diferença entre os termos é também salientada por G. Beech (1980, p. Vide G. Kampers (1979), cujo trabalho foi pensado originalmente como “pura prosopografia”. Vitória da Conquista, v. n. p. L. Stone confunde prosopografia e ensaios interpretativos que fazem uso de evidências prosopográficas. No entanto, uma observação metodológica contra a diferenciação entre Prosopographie e Personenforschung nos parece mais importante. Porque, embora seja verdade que a coleta e interpretação de dados são processos diferentes, eles permanecem – pelas escolhas que implicam – fortemente interdependentes, de modo que a análise planejada (i. e. as questões orientadoras da pesquisa) 12 Quanto ao termo “biografia coletiva”, cf. Best; Mann (1977, p. todo Cf. Neale (1951). Para uma posição diferente, ver Barré (1989, p. e Turner (1982, p. Exemplos em Bulst (1986a, p.

Neithard Bulst 52 53 POLITEIA: Hist. e Soc. Vitória da Conquista, v. n. p. Dificuldades não menos consideráveis encontram-se na História do Parlamento, empreendida por L. Namier, que pretende registrar as biografias de todos os membros da Câmara dos Comuns (que Namier qualifica expressamente como um grupo coerente), de suas origens até 1901. Este empreendimento, contudo, tem conseqüências problemáticas em razão da renúncia do autor em registrar as atividades extraparlamentares, porque, deste modo, a averiguação dos dados é limitada já de antemão. Podemos nos perguntar se a separação entre atividades intra e extraparlamentares tem realmente um sentido e qual pode ser a significação de uma análise histórica dos Commons que se apóia sobre uma base documentária tão restrita.

Na sua discussão sobre as pesquisas prosopográficas, Stone introduziu a distinção entre uma “escola elitista” e uma “escola mais estatística e de massas” (1971, p. Em 1976, Beech formulou – pensando, na realidade, nas elites dominantes – a tese segundo a qual o medievalista poderia renunciar à prosopografia se dispusesse de um número suficiente de fontes contendo informações satisfatórias. Ao mesmo tempo, ele via na prosopografia a única saída para este dilema, porque a prosopografia não depende de biografias sem lacunas, mas pode limitar-se, em seu alcance, a determinadas características definidas pelo caráter da totalidade pesquisada (STONE, 1971, p. Com isso, a questão sobre o significado da prosopografia é novamente levantada, dessa vez por um gênero de pesquisa e de documentação histórica próximo à prosopografia.

Esta questão não pode ser dissociada de uma controvérsia negligenciada até o presente momento, e que concerne à relação entre biografia e prosopografia, para a qual é necessário referir-se, sobretudo às contribuições de J. Alexander (1972) e R. Neithard Bulst 54 55 POLITEIA: Hist. e Soc. Vitória da Conquista, v. n. p. Isso não impede, contudo, que qualquer pesquisa sobre um conjunto – por exemplo, aquela sobre as cinqüenta pessoas – comece pela tentativa de estabelecer biografias individuais – que poderão, talvez, ser retomadas no texto final, mas que devem se restringir à reprodução de alguns casos exemplares – que mais tarde conservarão seu significado, seja como representativas da totalidade ou como exceções. Para tal discernimento, a comparação permanece sendo um elemento indispensável. É justamente neste contexto que se abrem, à prosopografia, as possibilidades cognitivas que a biografia não dispõe e nem pode dispor porque, na maioria dos grupos pesquisados prosopograficamente (seja conselheiros, monges, parlamentares ou estudantes universitários), faria pouco sentido destacar indivíduos e analisá-los biograficamente sem pensar em uma comparação posterior, a qual retira à biografia individual o seu caráter único ou singular.

Os desenvolvimentos de Pillorget (1979, p. tornam evidente que, para ele, é a prosopografia que faz desaparecer os caracteres e as personalidades, pois ele constrói uma oposição entre o “aporte biográfico da história” (com o qual ele identifica a prosopografia) e a “biografia quantitativa ou serial”, que não comete esse erro. Convém enfim mencionar uma outra possibilidade da prosopografia que permite explorar uma situação de relativa escassez de dados, algo que não é viável para o trabalho biográfico no seu sentido tradicional. Penso aqui nas pesquisas concernentes a pessoas e grupos de pessoas, das quais algumas vezes não conhecemos mais do que o nome,22 ou mesmo de pessoas das quais não conhecemos nem mesmo o nome e que aparecem somente como um “N” num quadro genealógico (TELLENBACH, 1957, p.

WERNER, 1977, p. Além disso, a abordagem biográfica exclui a diacronia, que é um aspecto quase essencial de muitas pesquisas prosopográficas. Essa controvérsia leva-nos à nossa segunda questão, que concerne à abordagem, às possibilidades e aos limites da prosopografia. MAURIN, 1982, p. Se não quisermos considerar o conjunto dos métodos empregados pela História e pelas Ciências Sociais (incluindo as técnicas às quais elas recorrem, como o processamento de dados e a análise estatística, cuja utilização pode variar23 enormemente segundo as fontes e as questões colocadas) como um método em si mesmo, parece difícil falar da prosopografia como um novo método histórico. Mas ela não pode mais ser considerada como uma ciência auxiliar. A meu ver, ela deveria ser vista, mais apropriadamente, como um aporte da história social que propõe novas questões24 e aponta para novos caminhos Ver Althoff (1986) e também Geuenich (1986).

Ver Carney (1973, p. Neithard Bulst 56 57 POLITEIA: Hist. e Soc. Vitória da Conquista, v. n. p. da história das instituições, da administração e das Constituições,26 dos movimentos sociais ou ainda da história intelectual e cultural,27 para citar apenas alguns exemplos, chegaram claramente a limites dificilmente superáveis. A tentativa de ultrapassar esse ponto crítico utilizando testemunhos do passado pouco explorados para encontrar respostas a novas ou antigas questões é, sem dúvida, o estímulo essencial para a pesquisa prosopográfica. Freqüentemente, a simples tentativa de identificar os “atores” (e, se possível, os outros “participantes”) já pode levar mais adiante. Três exemplos podem ilustrar essa colocação: as pesquisas sobre as assembléias representativas na França – e, mais particularmente, aquelas que se relacionam aos Estados Gerais – somente podem ser desenvolvidas se os próprios representantes forem pesquisados, o que, pelo menos para o século XV, é possível e pode levar a 25 Ver Rüthing (1986).

N. Orme, J. Verger, R. C. Schwinges e H. de Ridder-Symoens em Medieval Lives (BULST, GENET, 1986, p. As vantagens da quantificação do material prosopográfico abrigam o risco – que não deve ser menosprezado – de que a convergência casual de certos fenômenos crie a falsa impressão de causalidade. O fato de que a prosopografia deva freqüentemente destacar os laços familiares – os quais, em razão dos interesses comuns, são vistos como constitutivos de um sistema social que exerce poder e influência – conduz a um 29 Ver o artigo de R. Shwinges, Zur Prosopographie studentischer Reisegruppen, publicado em Medieval Lives (BULST, GENET, 1986, p. Ver, também, Bulst (1986, p. ss). Vitória da Conquista, v. n. p. Sobre o objeto e o método da prosopografia Politeia, v.

pmd dilema 31 que atinge qualquer pesquisa sobre as estruturas familiares e a prosopografia, que dela se utiliza. Stone (1971, p. que levanta essa reserva, chega a considerar que, antes do século XVI e da difusão da imprensa (que multiplica as fontes de uma maneira até então inédita), o aporte prosopográfico não é adequado para a pesquisa da maior parte dos grupos sociais. Esta constatação, no entanto, é fortemente marcada pela idéia de uma A crítica de Stone (1971, p. é exagerada; ver Beech (1976, p. s); Tellenbach (1957, p. ss). A propósito, não é fácil contornar uma outra dificuldade que a prosopografia traz consigo: o problema da mediação e da representação do material já coletado. Moraw falava de um “quadro mediano, unilateral e com poucas cores”, porque um grande número de casos isolados freqüentemente conduz a simplificações grosseiras, o que a escolha de alguns exemplos significativos apenas com grande dificuldade pode contrabalançar (MORAW, 1968, p.

O perigo da possibilidade de degradação da análise em pura estatística deve ser considerado, mas é, neste caso, mais facilmente evitável do que na demografia (KLAPISCH-ZUBER, 1986). Os repertórios biográficos que, cada vez mais, são colocados como anexos de trabalhos prosopográficos35 , ou publicados separadamente, mostram uma possibilidade de saída para este dilema, mas manifestam, simultaneamente, a dúvida diante da qual se encontram muitos prosopógrafos. n. p. Neithard Bulst 60 61 Sobre o objeto e o método da prosopografia prosopografia se formou nos últimos quinze anos. O acento colocado sobre a história social e sobre o caráter interdisciplinar da historiografia moderna e suas tentativas de estabelecer um diálogo com as outras disciplinas das ciências humanas sem dúvida contribuiu para o seu sucesso.

O que trouxe a prosopografia à tona foi menos uma atitude pessimista do que um redirecionamento mais acentuado ao papel do homem – e não dos “grandes homens” – na história, percepção que também estava presente no início da história das mentalidades, dos gestos, dos grupos marginais, da vida cotidiana e da cultura material e que, igualmente, as estimulou. pmd ABSTRACT Although the term prosopography remounts back to the 16th century, its meaning and relationship with other methods and techniques, employed in historical research, is still object of controversies. Such controversies increased with the directions that things took in the last decades. They changed the focus of interest to the role of man in history, and not necessarily “great men”. This article tries to trace back the strategies of use of prosopography as a resource for apprehension of the historical role carried out by certain collectivities, such as institutions like the parliamentary Cameras, or of social groups like farmers, from varied periods of the Roman Antiquity to our days.

Isto não deve ser compreendido como um apelo à realização de pesquisas prosopográficas exclusivamente com o uso do computador. Cf. Carney (1973, p. s). Neithard Bulst 62 KEY-WORDS: Biography. Methods of History. P. Org. Medieval Lives and the Historian. Studies in Medieval Prosopography. Michingan, Western Michigan University, 1986. Prosopography. In: POWEL, J. M. Ed. Medieval Studies. Stuttgart: Klett Cotta, 1977. BLOCKMANS, W. Verwicklichungen und neuere Orientierungen in der Sozialgeschichte der Niederlande im Spätmittelalter. In: EHBRECHT, W. SCHILLING, H. Studies in Medieval Prosopography. Michingan: Western Michigan University, 1986. Politeia, v. pmd 62 16/1/2007, 18:46 POLITEIA: Hist. e Soc. Sigmaringen, 1986. p. La recherche prosopographique récente en Allemagne (1250-1650). Essai d’un bilan. In : AUTRAND, F. Die französischen Generalstände von 1468 und 1484. Prosopographische Untersuchungen zu den Delegierten. Sigmaringen 1992. BURKE, P. Sociology and History. CHASTAGNOL, A. La prosopographie, méthode de recherche sur l’historie du Bas-Empire.

Annales E. S. C. Ed. Quantitative Methoden in der Wirtschafts- und Sozialgeschichte der Vorneuzeit. Stuttgart, 1978. GEUENICH, D. Eine Datenbank zur Erforschung mittelalterlicher Personen und Personengruppen. The Historian, XL, 1977. Neithard Bulst 64 HASLER, P. W. Ed. The History of Parliament. Münster: Aschendorff Verlag, 1979. KAPLAN, A. The Conduct of Inquiry. Methodology for Behavioral Science. San Francisco: Chandler, 1964. von. Prosopographische Forschungsarbeit und Moderne Landesgeschichte. Westfälische Forschungen, 11, p. Prosopographische Forschungsarbeit und Moderne Landesgeschichte. Westfälische Forschungen, 12, p. Beamtentum und Rat König Ruprechts. Zeitschrift für die Geschichte des Oberrheins, 116, p. Kanzlei und Kanzleipersonal König Rupprechts. Archiv für Diplomatik, 15, p. MÜLLER, H. Annales E. S. C. XXVII, p. Sobre o objeto e o método da prosopografia NAMIER, L. Prosopographie et histoire social: Rome et l’Italie à l’époque republicaine. Annales E.

S. C. XXV, p. Historisches Jahrbuch, 99, p. POOS, L. Peasant ‘biographies’ from Medieval England. In: BULST, N. GENET, J. Vitória da Conquista, v. n. p. RENARDY, C. Le monde des Maîtres universitaires du diocèse de Liège (1140-1350). Strayer. Princeton: Princenton Univesity Press, 1976. ROMANO, S. Biographie et historiographie. Revue d’histoire diplomatique, 96, 1982. p. Neithard Bulst 66 SCHMID, K. Prosopographische Forschungen zur Geschichte des Mittelalters. In: Aspekte der Historischen Forschung in Frankreich und Deutschland. Schwerpunkte und Methoden. Historical Social Research. The Use of Historical and Process-Produced Data. Stuttgart: Klett Cotta, 1979. STONE, L. Prosopographie. Freiburger Universitätsreden NF, 25, p. TURNER, R. Twelfth- and Thirteenth-Century English Law and Government: Suggestions for Prosopographical Approaches. Medieval Prosopography, 3/2, p. VENTURI, F. pmd 66 16/1/2007, 18:46 POLITEIA: Hist. e Soc. Vitória da Conquista, v. n. p. Zeitschrift für Historische Forschung, 2, p.

Politeia, v. pmd 67 16/1/2007, 18:46.

1001 R$ para obter acesso e baixar trabalho pronto

Apenas no StudyBank

Modelo original

Para download