DOENÇAS CARDIOVASCULARES: UM ESTUDO DA INCIDÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE

Tipo de documento:Redação

Área de estudo:Geografia

Documento 1

Apresenta possíveis soluções para a perda de peso e para uma vida de qualidade. Faz uma revisão de literatura e traz referência de pesquisa. Palavras-chaves: Obesidade; Sobrepeso; Cardiovascular. Abstract The present work shows the obesity and its harmful effects for the individual. It points to overweight as the main indicator of cardiovascular diseases and related problems. It shows the main problems arising from obesity and its action in the body. Presents solutions for weight loss and a quality life. He does a literature review and brings research reference. Key-words: Obesity; Overweight; Cardiovascular. Sumário 1 INTRODUÇÃO 4 2 EFEITOS DA OBESIDADE EM HEMODINÂMICA E ESTRUTURA E FUNÇÃO DO CV 6 2. Consequências clínicas da obesidade 7 2. Obesidade, CHD e paradoxo da obesidade 9 2. Parâmetros de geração 10 2. Obesidade e acidente vascular cerebral 11 2. Obesidade e arritmias ventriculares 12 2. Obesidade e apneia do sono. EXERCÍCIO FÍSICO E DOENÇAS CARDIOVASCULARES 14 3. SAÚDE 15 3. DOENÇAS CARDIOVASCULARES, HIPERTENSÃO 16 4 ALIMENTAÇÃO E EXERCÌCIO FÍSICO 17 4. PROTEÍNA E CRESCIMENTO MUSCULAR 17 5 PERDA DE PESO NO BRASIL 19 6 CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PARA PERDA DE PESO 21 7 CONSIDERAÇÕES FINAIS 24 8 REFERÊNCIAS 25 1 INTRODUÇÃO A obesidade tem aumentado em proporções epidêmicas em adultos e crianças. Em adultos, o excesso de peso é definido como índice de massa corporal (IMC) 25 a 29,9 kg / m2 e obesidade como IMC 30 kg / m2. Outros índices que foram usados ​​menos comumente, mas possivelmente com mais poder preditivo incluem gordura corporal, circunferência da cintura (WC), relação cintura-quadril (WHR) e relação peso / altura (3).

Um estudo recente de cerca de 360. participantes de 9 países europeus mostrou que obesidade geral e adiposidade abdominal estão associados ao risco de morte e apoiam a importância de WC ou WHR, além do IMC para avaliar a mortalidade risco. A obesidade tornou-se um problema crítico nos EUA, com a prevalência entre adultos aumentando em quase 50% durante os anos 80 e 90 (5); agora, quase 70% dos adultos são classificados como obesos ou obesos em comparação com menos do que 25% 40 anos atrás. Embora a obesidade tenha sido implicada como uma das maiores fatores de risco para hipertensão (HTN), insuficiência cardíaca (IC) e doença cardíaca coronária (CHD), evidência de cortes clínicos dos pacientes com doenças CV estabelecidas indica uma paradoxo da obesidade porque pacientes com sobrepeso e obesidade com HTN, HF, CHD e doença arterial periférica (PAD) tendem a ter um prognóstico mais favorável a curto e longo prazos.

O presente trabalho analisa as consequências metabólicas da obesidade e seus efeitos patológicos sobre a pressão arterial e CV estrutura e função contribuindo para o seu papel na HTN e HF, bem como ao seu papel no aumento de CHD e auricular fibrilação (AF). Nós também analisamos a evidência da obesidade paradoxo nesses distúrbios, bem como PAD. Finalmente, nós discutir a evidência atual dos riscos potenciais e benefícios da perda de peso proposital. em marcadores inflamatórios está associada com resistência à insulina, obesidade, e eventos CV. Além das anormalidades estruturais do VE, a obesidade também leva ao aumento do átrio esquerdo (LA), ambos de aumento do volume circulante de sangue, bem como LV anormal enchimento diastólico.

Essas anormalidades não só aumentam o risco de HF, mas o alargamento de LA pode aumentar a risco de AF e suas complicações morbosas discutidas mais tarde. Além de aumentar as anormalidades estruturais do LV e a propensão para o ventrículo mais frequente e complexo Arritmias, a obesidade também tem efeitos adversos sobre a diastólica e função sistólica. Consequências clínicas da obesidade Normalmente, HTN leva ao espessamento de paredes ventriculares sem câmara dilatação, um processo denominado CR quando a massa LV não é LVH aumentada ou concêntrica quando a massa de LV é aumentada, Considerando que a obesidade é caracterizada como câmara crescente dilatação sem aumento acentuado da espessura da parede, um processo que leva à LVH excêntrica.

Apesar de ter uma maior prevalência de HTN na obesidade, dados recentes mostraram um paradoxo da obesidade. estudantes do Framingham Heart Study, Kenchaiah et al. mostrou que durante um acompanhamento de 14 anos, para cada 1 incremento de kg / m2 no IMC, o risco de insuficiência cardíaca aumentou 5% em homens e 7% em mulheres. Na verdade, um aumento graduado no risco de HF foi observado em todas as categorias de IMC. Em um estudo de 74 pacientes obesos mórbidos, quase um terço tinha evidência clínica de HF e a probabilidade de HF. Aumentou dramaticamente com o aumento da duração da morbidade obesidade. De fato, por cada aumento de 5 unidades no IMC, o risco de A mortalidade foi 10% menor (p 0,001). Embora esses pesquisadores tenham levantado a possibilidade de o viés de seleção e as características da linha de base podem ter afetado esses resultados, eles também sugeriram que o excesso de corpo O peso pode conferir alguns efeitos protetores sobre a mortalidade por HF.

Porque o HF avançado é um estado catabólico, obeso Os pacientes com IC podem ter mais reserva metabólica. Citocinas e perfis neuroendócrinos de pacientes obesos também pode ser protetor. O tecido adiposo produz solúvel receptores do fator-alfa do tumor de necrose e poderia desempenhar um papel protetor em pacientes obesos com insuficiência cardíaca aguda ou crônica neutralizando os efeitos biológicos adversos da necrose tumoral factor-alfa. É fortemente relacionado ao primeiro segmento não-ST infarto do miocárdio (IM) ocorrendo em idade mais jovem. No entanto, como com HTN e HF, muitos estudos têm também relatou um paradoxo da obesidade em CHD, inclusive em pacientes tratados com revascularização. Em um recente revisão sistemática de mais de 250. pacientes em 40 coortes estudos acompanhados por 3,8 anos, Romero-Corral et al.

relatatou que os pacientes obesos e com sobrepeso têm uma menor risco de mortalidade total e CV em comparação com pacientes com insuficiência cardíaca e peso normal. Apesar O IMC era um preditor independente de maior mortalidade em toda a coorte, maior prevalência de doença pulmonar obstrutiva crônica moderada-grave quase explicou completamente o risco aumentado estatisticamente os pacientes com baixo peso. No entanto, ajustando-se para o pulmão a doença não aboliu a relação entre o IMC mais alto e menor mortalidade no PAD com excesso de peso e obesidade grupos. Embora muitos dos HTN, HF e Estudos de CHD discutidos anteriormente também tentaram corrigir Para fumar como fator de risco, menor IMC permaneceu um preditor independente de maior risco.

Nós também documentamos a relação inversa entre IMC e mortalidade por todas as causas em mais de 30. pacientescom função sistólica de LV preservada referida para ecocardiografia. Obesidade e arritmias ventriculares Embora progressivo HF pode ser a causa mais comum de morte em pacientes com cardiomiopatia por obesidade, morte cardíaca súbita (SCD) foi relatado para ser aumentado aparentemente saudável Pacientes obesos (1). Evidências substanciais apoiam um aumento irritabilidade elétricas na obesidade que pode levar a mais Disritmias Ventriculares frequentes e complexas, mesmo em a ausência de disfunção do VE ou IC clinica. No Framingham Heart Study, a taxa SCD anual foi quase 40 vezes maior do que em uma população não-japonesa correspondente. Uma associação positiva entre QT corrigido (QTc) O intervalo e o IMC foram observados, e QTc prolongado tem previu aumento da mortalidade mesmo em aparentemente saudável populações.

Embora uma relação entre QTc e o aumento da obesidade tem sido observado em muitos estudos, isto é mais evidente nas obesas graves. Diante da teoria criacionista, a atividade física começou no jardim do Éden quando Deus ordenou o homem à prática do cultivo no jardim. O texto sagrado diz:“ Tomou, pois, o Senhor Deus ao homem e o colocou no jardim do Éden para o cultivar e o guardar” (Génesis 2:15). A atividade física era inevitável nos primórdios. A necessidade de uma ocupação territorial e de uma afirmação à frente da tribo — e na própria situação de sobrevivência — trouxe o desenvolvimento físico de forma inconsciente ao homem primitivo. É possível afirmar o desenvolvimento intelectual/ estrategista na prática E ambos os conceitos estão atrelados à ação.

Em 1900 autora publicou um livro intitulado Ministry of Healing. O livro mostra a necessidade do exercício físico para o equilíbrio — vida saudável. A autora que viveu numa época em que as pessoas habitavam em casas sem circulação do ar, escuras, e desafiou os médicos da época ao escrever “o exercício ao ar livre devia ser prescrito como necessidade vital”. White (2004 ) A Associação Portuguesa de Medicina Preventiva em parceria com a Associação Internacional de Temperança apoiam o conceito de Ellen G. White que por sua vez classifica o exercício físico com um dos oito remédios naturais para “aumentar a nossa qualidade de vida e contribuir para a recuperação da saúde” Vasques (2006 p: 2). A segunda define saúde como um estado que permite ao indivíduo lidar com as demandas da vida diária.

A terceira definição afirma que a saúde é um estado de equilíbrio que o indivíduo estabelece dentro de si mesmo e entre ele e seu ambiente social e físico. DOENÇAS CARDIOVASCULARES, HIPERTENSÃO O exercício físico contínuo recomenda-se para a profilaxia da obesidade que é uma realidade preocupante no grupo de idosos sedentários. Com o avançar dos anos o idoso perde massa muscular e aumenta a massa gorda. Segundo Vasques e Carvalho (2006 p:236) isso ocorre principalmente, porque se “ingere mais calorias do que o necessário”. Deve-se, antes de tudo, estabelecer metas e reformular as etapas. Passar a enxergar a vida saudável como algo natural e benéfico. Esquecer a figura estereotipada de castigo e sofrimento. Comer bem e praticar atividades/exercícios é sinônimo de saúde.

PROTEÍNA E CRESCIMENTO MUSCULAR A proteína é um macro nutriente que desempenha um papel essencial em nossos corpos. Infelizmente, esse sistema não está completamente cheio de provas da reciclagem de cada aminoácido na sua totalidade. Durante esse processe muitos aminoácidos estão perdidos do esqueleto músculo e, tipicamente, finalizam uma das rotas. Sem dúvida o dano muscular é um fator muito importante para o processo de hipertrofia. Entretanto, ao contrário do que se acreditava há poucos anos, vários outros fatores também possuem papel determinante no aumento da secção transversa das fibras musculares. Acredita-se, portanto, que a hipertrofia seja resultado da soma de vários fatores e diversos mecanismos que a estimulam de forma direta e indireta. utilizando dados da Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição (NHANES) em 2002, do que o observado em um estudo da Malásia realizado por Kong et al.

e o encontrado por Kruger et al. em um estudo envolvendo o NHIS em 1998. Nossos dados indicam que a busca de perda de peso frequentemente não é combinada com práticas saudáveis. Esta observação é descobertas semelhantes de Kruger et al. que relataram uso igual da atividade física por homens e mulheres como uma estratégia de perda de peso, em nosso estudo os homens usaram atividade física com mais frequência para perder peso. CONSUMO DE SUBSTÂNCIAS PARA PERDA DE PESO Quanto ao consumo de substâncias para perda de peso, a prevalência observada diferiu dos achados de outros estudos populacionais. Deve-se notar que a prevalência de obesidade e a variedade de características culturais entre diferentes populações podem influenciar significativamente essa prática e não foram identificados estudos brasileiros comparáveis ​​sobre esse assunto.

No entanto, as publicações internacionais mostram que o uso de substâncias para perda de peso varia entre 4%, no estudo NHIS de 1998 14 e 33,9%, relatado em um estudo realizado por Serdula et al. que teve uma taxa de resposta de 19%. Em relação à idade, houve uma maior probabilidade de uso de substâncias para perda de peso em pessoas com menos de 60 anos de idade, independentemente do sexo. Esse achado é semelhante ao observado por Kruger et al. No entanto, outras publicações encontraram uma associação somente em grupos etários mais jovens. A cor da pele e o estado civil não foram associados ao uso de substâncias ou práticas de perda de peso. Embora algumas publicações dos EUA relatem a cor da pele não branca como um fator de risco, é provável que essa descoberta esteja associada às características culturais específicas da população.

Esta possibilidade é improvável, no entanto, uma vez que a grande maioria das substâncias para perda de peso não apresentam capacidade substancial para reduzir o peso corporal e, portanto, normalizar o IMC de uma pessoa obesa. A associação causal com a atividade física também pode ser tendenciosa devido à causalidade reversa. No entanto, nenhuma evidência foi encontrada para isso, uma vez que a prevalência de atividade física e relatos de atividade física foram semelhantes entre usuários e não usuários de substâncias para perda de peso. O achado mais relevante foi a alta prevalência (> 75%) do comportamento sedentário entre usuários de suplementos de perda de peso. CONSIDERAÇÕES FINAIS A alta prevalência de excesso de peso tem sido repetidamente documentada na literatura principalmente devido à sua relação rigorosa com várias doenças crônicas e risco de morte.

É possível regressar. Embora pareça difícil, isso pela visão estereotipada que temos sobre alimentação e perda de peso, é uma atitude natural de equilíbrio. Querer viver bem. Exercícios e atividades físicas trazem qualidade de vida e contribuem para o prolongamento da vida. REFERÊNCIAS ALMEIDA, Rogerio T. Itapevi, SP: AC Farmacêutica, 2009. Disponível em:< http://www. abeso. org. br/pdf/diretrizes_brasileiras_obesidade_2009_2010_1. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 22(6):1207-1215, jun, 2006 SEDULA T. R; KRUGER, F,H Health,body,lifestyle, Cambridge, United States – 2007. URETSKY, J; OREOPOULOS, H. K Health and heart-sick, Neville, Ducth.

319 R$ para obter acesso e baixar trabalho pronto

Apenas no StudyBank

Modelo original

Para download

Documentos semelhantes

RESUMO DE ANATOMIA DO SISTEMA LOCOMOTOR

Palavras: 2750

Páginas: 10

Resumo genética médica

Palavras: 3575

Páginas: 13

RESUMO SOBRE ONCOLOGIA

Palavras: 4400

Páginas: 16

Resumo icteria do RN e amamentação

Palavras: 2475

Páginas: 9

Diarreias

Palavras: 2475

Páginas: 9

COLESTASE DO RECÉM NASCIDO

Palavras: 2475

Páginas: 9